Diz NÃO à Violência e SIM à PAZ!

O Dia Internacional da Não Violência e da Paz nas Escolas é comemorado a 30 de janeiro. Este dia foi instituído em 1964 em homenagem ao pacifista indiano Mahatma Gandhi que era contra a violência e a favor da paz. Neste sentido, a comemoração deste dia tem como intuito consciencializar a comunidade escolar (alunos, docentes, não docentes, famílias, entre outros) bem como a sociedade onde esta está inserida, para os valores como o respeito, a cooperação, a solidariedade, a não violência e a paz.

Enquanto adultos envolvidos na educação de crianças e jovens, ao trabalharmos estes valores, estamos a contribuir significativamente para um desenvolvimento social positivo e sustentável bem como para o crescimento dos alunos enquanto futuros cidadãos, conscientes, interventivos e Humanos.

No entanto, a criança/jovem é um sujeito ativo ao longo do seu desenvolvimento e, como tal, a sua identidade constrói-se em interação social, influenciando e sendo influenciada pelo meio que a rodeia. Ou seja, pelo que vive e pelo que sente; pelas imagens que constrói, pelos exemplos que toma (e que nós damos).

É nos contextos sociais em que vive, nas relações e interações com outros e com o meio que a criança vai construindo referências, que lhe permitem tomar consciência da sua identidade e respeitar a dos outros, desenvolver a sua autonomia como pessoa e como aprendente, compreender o que está certo e errado, o que pode e não pode fazer, os direitos e deveres para consigo e para com os outros, valorizar o património natural e social. É nessa inter-relação que a criança vai aprendendo a atribuir valor aos seus comportamentos e atitudes e aos dos outros, reconhecendo e respeitando valores que são diferentes dos seus. A educação pré-escolar tem um papel importante na educação para os valores, que não se “ensinam”, mas se vivem e aprendem na ação conjunta e nas relações com os outros. (Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar, Ministério da Educação, 2016:33)

Como citado anteriormente, é desde bem cedo que estes valores começam a ser considerados em contexto escolar. E este surge como um posicionamento globalizante, que permite não “remediar”, mas sim “prevenir” comportamentos de risco associados tantas vezes às nossas crianças. Pequenos trabalhos/atividades/explorações, questões, reflexões sobre qual a atitude a adotar em determinadas situações. Vivências significativas e positivas…

E aqui também vós, pais/famílias, são fundamentais: de forma preventiva, orientam os filhos no sentido de tomarem decisões corretas. Mas o que é correto? Seguramente pode divergir um pouco… mas estamos certos de que é correto “dizer não à violência e sim à paz”!

Concordam?!

Andreia Inácio, Educadora de Infância
Sharika Mahomed, Educadora de Infância
Susana Alberto, Educadora de Infância e Consultora Pedagógica Projeto GABC